Empresas Familiares e Seus Desafios

As empresas familiares têm como característica o fato de ter surgido do esforço da própria família em formar uma empresa pequena, média ou grande, em que todos os membros da família possam contribuir e trabalhar para o desenvolvimento e sucesso da atividade.

A formação das empresas familiares tem certas peculiaridades e uma delas é o fato de o chefe da família ser o dono do negócio, na maioria das vezes, o que pode gerar um conflito de interesses.

Veremos que a gestão da empresa familiar encontra diversos obstáculos que valem a pena ser discutidos.

Evite Cometer o ERRO dos Empreendedores de 1ª Viagem!

Saiba quais são as 3 perguntas que você deve responder antes de iniciar o negócio para proteger seu investimento e aumentar suas chances de sucesso. Saiba mais.


Gestão das empresas familiares

Como falamos acima, alguns fatores geram maior desafio para uma empresa de familia e um deles é a Liderança.

A liderança gera dificuldade na empresa familiar, uma vez que os membros da família podem ir a direções diferentes no que tange opiniões e objetivos para com a gestão geral da empresa ou orçamento. Integrar, portanto, se torna uma tarefa difícil e o consenso então mais difícil ainda.

Vocação e empreendedorismo são sempre o que forma as empresas familiares  e considera-se que todos os membros da família devem empreender em conjunto.

Isso é um mito, pois por pertencer a uma mesma família, os membros não têm a obrigatoriedade de serem iguais e os dons se diferem, ou seja, nem todos os membros terão perfil empreendedor.

Pode haver um membro da família que não necessariamente terá vocação para empreender. É necessário compreensão para com este membro e assim fazer com que ele sinta a liberdade de seguir seus próprios talentos.

Organizando a empresa com familiares

As empresas familiares possuem três pilares básicos que sustentam a estrutura: família, propriedade e negócios e, por isso, todas as decisões orçamentárias e de gestão afetam a todos os membros e se torna objeto de conflitos se não houver uma direção profissional e amadurecida.

Para isto se faz necessário a formalização de alguns fatores de gestão e um desses fatores capazes de criar integração, direção e uma gestão mais responsável é a criação de uma Governança Corporativa.

A Governança Corporativa é um caminho a ser trilhado que tem início com a consideração de quatro fatores-chaves:

Identidade empresarial – as empresas familiares devem ter bem claro e integrado qual a missão da empresa, quais seus valores e possuir disposição para cumprir com todas as normas éticas e valores que farão da empresa uma corporação responsável e sustentável.

Direção – saber onde está indo é fundamental para as empresas familiares, possuir objetivos e trabalhar juntos para a concretização dos mesmos.

Com isso é necessário estabelecer uma missão fundamentada na visão de futuro com base no planejamento estratégico para alcance de metas.

Disciplina – ter disciplina é fator crítico de sucesso para as empresas familiares, pois todos devem respeitar os horários, a divisão de tarefas e trabalhar para alcançar um desempenho satisfatório, por isso a gestão de pessoas na empresa familiar constitui também uma questão a parte.

Flexibilidade – a flexibilidade é outro fator crítico de sucesso, pois mudanças que acompanhem as tendências e que são necessárias para o alcance de eficiência não devem ser jamais negligenciadas em empresas familiares.

Mitos sobre as empresas familiares

Um dos maiores mitos sobre as empresas familiares é considerar que essas empresas são formadas apenas por micro e pequenas empresas.

Apesar das micro e pequenas empresas terem potencial para contribuir com o desenvolvimento econômico e social do país, as empresas familiares possuem também potencial para crescer e até exportar seus produtos ou serviços.

Outro mito a se considerar é quanto à ética empresarial das empresas familiares, que pode ser alcançada com conscientização e firmeza da liderança.

Conselho administrativo de uma empresa familiar

É aconselhado que mesmo as empresas familiares, que não são obrigadas a manter um Conselho Administrativo por serem empresas S/A e que não abriram capital, tenham este conselho, pois o Conselho Administrativo oferece uma oportunidade de manter a direção e a integração nas decisões.

O Conselho Administrativo existe para manter garantidos os interesses dos acionistas e empresas. A empresa pode optar por um conselho consultivo ou administrativo; o importante é que o Conselho aponte e oriente alguns fatores importantes:

Perspectivas – muitas vezes, alguém de fora da organização tem uma visão e uma perspectiva mais ampla e elevada e de forma sistêmica e estratégica.

Identificação de oportunidades e mudanças necessárias – contribui para identificar as oportunidades e transpor desafios.

Auxílio nas crises – as empresas familiares pode, como qualquer empresa, encontrar momentos de crises em que a missão e objetivos são repensados e discutir sobre as crises é bem cabível nos Conselhos onde poderá surgir soluções.

Objetividade nas decisões – decisões sobre planos estratégicos, e até mesmo a sucessão, serão discutidos de forma mais clara, transparente e acessível.

Ética nas empresas familiares

A ética deve nortear todas as decisões da empresa familiar quanto à divisão de lucros, ao respeito do pró-labore como única remuneração da direção e outras questões éticas.

Deve ser, portanto, obedecido o princípio da entidade, pois o patrimônio da empresa é distinto do patrimônio da família, pela Resolução n° 750 que regem os princípios da Contabilidade.

Por isso é necessário ética para o uso de bens e capital pertencente à empresa e que serão utilizados para o desenvolvimento da atividade.

Outro fator ético importante a ser discutido pela empresa familiar é quanto à gestão de pessoas na seleção, contratação e promoção, já que devem beneficiar os interesses da empresa e não os interesses de seus membros.

Sucessão nas empresas familiares

A sucessão nas empresa familiares é uma questão sempre discutida e polêmica, pois surgem questões como: o preparo dos sucessores, a motivação pessoal e profissional e ainda os conflitos que podem surgir.

Por isso, a sucessão deve ser vista como motivo de preparação, não só a preparação do sucessor, mas de toda a equipe com clima organizacional e cultura que dê suporte a uma sucessão tranquila, transparente e com consenso de todos.

A empresa deve sentir que a sucessão foi realizada de forma sábia e justa e que o sucessor foi preparado com qualificação acadêmica e experiência profissional.

Portanto, suceder é um processo que deve ser desenvolvido com responsabilidade livre de conflitos, fruto das empresas familiares amadurecida e com clima organizacional propício.

E você o que acha de empresas familiares? Comente!

★ Dica Importante!

Para qualquer negócio que você for montar é importante fazer um planejamento. Para isso, estude em livros, contrate uma consultoria ou use o Kit Novo Negócio.

Enfim, escolha a opção que mais lhe agrada, apenas NÃO ARRISQUE suas economias e o bem-estar da sua família em um chute!


Artigo anteriorComo montar um negócio para ganhar dinheiro
Próximo artigoComo Abrir um Comércio de Frango Assado com Sucesso
Administrador de Empresas pela Universidade Estadual de Goiás, Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching, atuou na Algar Telecom, SEBRAE e vários pequenos negócios, aficionado por criação de negócios, gestão e mentalidade empreendedora. Também criou o Kit Como Abrir Um Negócio, o qual já contribuiu com mais de 8 mil empreendedores em vários países.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here