Capital Social – O que é, diferenças, tipos e como trabalhar em um negócio

Capital SocialCapital Social é o elemento essencial para a garantia nas sociedades empresárias com fins lucrativos.

O Capital Social é ainda o conjunto de recursos que são montantes e subscritos para o exercício das atividades da empresa, ou seja, registrado na junta ou cartório, conforme a sociedade empresária: sociedade simples ou empresária.

O capital social é ainda uma rubrica ou conta que consta no Patrimônio líquido para registro do valor nominal que é a participação dos sócios ou acionistas que forma o montante total que é o Capital Social.

Evite Cometer o ERRO dos Empreendedores de 1ª Viagem!

Saiba quais são as 3 perguntas que você deve responder antes de iniciar o negócio para proteger seu investimento e aumentar suas chances de sucesso. Saiba mais.


A conta de Capital social tem registros no lado direito do balanço patrimonial e por sua vez esse capital pode ser também denominado como nominal, pois a participação no montante de capital é determinado pelo total do patrimônio líquido que inclui capital, reservas, lucros ou prejuízos.

Tipos de Capital Social

Segundo a contabilidade, o capital pode ser dividido em quatro divisões:

Capital nominal– o capital nominal propriamente dito é o investimento inicial realizado pelos proprietários da empresa com motivo para abertura das atividades empresariais e subscrito como capital.

Portanto o capital nominal é parte integrante do patrimônio líquido, o capital só sofre alterações por aumento ou diminuição de capital com novos investimentos ou redução que são os desinvestimentos.

Capital próprio – esse capital corresponde ao capital inicial, suas alterações e forma o patrimônio líquido.

Capital de terceiros– é a parte do capital que compreende os investimentos com recursos alocados de terceiros.

Capital á disposição da empresa– se o capital á disposição da empresa em dado momento ,poderá ser uma parte do capital inicial, pertence ao capital próprio e também poderá ter sido alocado de terceiros ,a única diferença é que este capital tem como destino as providências rotineiras e operacionais ,que não é destinado para investimentos nem para reserva de capital.

Capital Social para as Sociedades Anônimas

O capital social para formação das sociedades anônimas está sujeito ás normas da lei n.º 6.404/76 e tem como característica a de incluir qualquer bem em espécie, desde que possam ser avaliados em dinheiro.

Outra característica do capital das sociedades anônimas é que os bens pertencentes á sociedade anônima que são vinculadas ao patrimônio dos acionistas representam recursos próprios permanentes e estão sujeitos á desvalorização monetária devido ao processo inflacionário, por isso exige a correção monetária.

Diferença entre Capital Social e Reserva de Capital

É necessário distinguir capital e reserva de capital, distinguindo-os de acordo com a natureza própria desses dois objetos da Contabilidade.

Portanto, o Capital Social pode compreender bens móveis, imóveis, tangíveis e intangíveis desde que possam ter seus valores representados por dinheiro.

Já as reservas de capital é todo o numerário que poderá ser representado apenas por moeda.

Funciona dessa forma porque o capital social é a contribuição dos sócios e acionistas, enquanto a reserva de capital são fundos mantidos pela empresa de acordo com a lei 6.404/76,e possui diversas utilidades para as empresas como: imprevistos financeiros, reforço de garantia aos credores, salvaguardas para prejuízos e outros.

A Lei rege também que a reserva de capital só deve ser utilizada para atendimento de situações emergenciais, como o resgate de ações ou reembolso, pagamento de dividendos ou outros.

Aumento no Capital Social

O aumento no Capital Social pode originar dos seguintes fatores:

Captação de recursos junto á investidores

Captação de recursos em bancos de financiamentos.

Lembrando que quando as empresas alocam recursos junto á investidores existe a vantagem para a empresa é que ela fica livre dos custos com os financiamentos bancários.

Por isso, as empresas antes de captar recursos no mercado deve avaliar custo x benefício, avaliando prazo de pagamento, valor das prestações, juros e outros.

Como solução para captação de recursos a sociedade anônima ainda conta com a possibilidade de alocação de recursos com o auxílio da emissão de ações.

Outros títulos que a empresa poderá emitir para captação de recursos são as debentures ou commercial papers.

A emissão destes títulos proporciona a empresa o compromisso pelo pagamento futuro.

A emissão de ações ou títulos é instrumento viável para que as sociedades anônimas consigam realizar capital a fim de desenvolver suas operações e reinvestir nas suas operações.

Outra forma de aumento do capital social é pela autorização ou mecanismos de aumentos sem novos recursos.

Capital Autorizado

O aumento de capital social pode ser realizado apenas nas situações seguintes:

A Emissão de novas ações mesmo fora do estatuto, ou seja, quando ocorrem novas emissões sem a necessidade de Assembleia dos acionistas, nessa situação o aumento é permitido por lei, porém o mecanismo só é utilizado para atender á excepcionalidades.

Porém, o capital autorizado deve atender aos seguintes requisitos:

Existência de Conselho Administrativo, limite autorizado, ou seja, condições do direito de preferência dos acionistas e outras exigências.

Aumento de Capital sem novos recursos

As empresas têm também a opção de elevar seu capital sem a necessidade de alocação de novos recursos, utilizando os mecanismos abaixo:
Pela capitalização de lucros ou reservas- quando há capitalização de lucros ou reservas, o que ocorre é a simples formalização que altera o capital, por sua vez esses recursos foram capitalizados e não pode haver alteração.

A alteração com transferência física desse capital só ocorrerá em situação da dissolução da sociedade ou em situação da redução do capital, sendo que os lucros ou reservas podem exaurir a situação de redução.

Conversão de valores mobiliários em ações – como diz o enunciado, esse mecanismo é a simples conversão de valores mobiliários em ações e ocorre quando o proprietário titular dos valores mobiliários se torna um acionista, logo esse valor torna-se aumento de capital.

O aumento de capital sem novos recursos é obtido pelos mecanismos acima e não pela gratuidade, pois nos dois casos existe valor monetário envolvido.

Redução do Capital Social

A redução do capital social se dá por perda ou por excesso.

No caso em que há perda de capital ocorre quando há o ajuste da diferença entre o valor que foi inicialmente integralizado e o valor atualizado da empresa.

Esta perda advém de insucessos da empresa e tem origem no ajuste da diferença ocorrida, contabilmente esse ajuste não é obrigatório, mas as empresas realizam para que as atividades prossigam normalmente e com controle.

Já a redução por excesso ocorre quando é verificada que o capital subscrito é maior do que o necessário para que a atividade se desenvolva e assim a empresa tem a opção de diminuir o capital.

Esse capital poderá ser contabilizado como reserva de lucro ou ainda ser restituída aos acionistas, pagando-se a todos os acionistas ou os acionistas titulares dos valores a que lhe cabe em ações pelo capital que foi “diminuído”.

Importante observar que por lei os credores não podem se opor aos mecanismos de redução de capital, o que pode ocorrer é a liquidação de débitos com este valor, caso seja um débito de credor quirografário ,ou seja, aquele credor sem garantia real.

Por assembleia os debenturistas deve se posicionar como contra ou a favor da redução do capital.

A subcapitalização

Como a capitalização é uma “injeção” de recursos para que a empresa desenvolva suas operações, dessa forma então os sócios esperam pelo retorno da rentabilidade do negócio.

Se o capital é inferior ao necessário para a concretização do objeto social, a empresa tem como solução obter esses  recursos dos controladores acionistas ,que trocarão o direito de novas ações por direito de serem credores preferenciais, em caso de falência.

Outra situação latente quanto á falta de recursos necessários é quando o próprio sócio se torna credor, dessa forma então a empresa se torna devedora de seu sócio.

Em todas as situações acima o que ocorre é subcapitalização.

A subcapitalização se torna mais complexa em ocorrência da falência da companhia.

Pela lei o acionista não responderá pela subcapitalização e não dá preferência aos créditos gerais para acionistas no caso de falência e distribuição de valores para credores.

Mais informações sobre o Capital Social, sobre ações, sociedade anônima e falência podem ser obtidas com a leitura da lei n.º 6.404/76 no Novo Código Civil de 2002.

Aprendeu sobre o Capital Social? Deixe seu comentário e cadastre seu e-mail para receber mais dicas de negócios!

★ Dica Importante!

Para qualquer negócio que você for montar é importante fazer um planejamento. Para isso, estude em livros, contrate uma consultoria ou use o Kit Novo Negócio.

Enfim, escolha a opção que mais lhe agrada, apenas NÃO ARRISQUE suas economias e o bem-estar da sua família em um chute!


Artigo anteriorComo Ter um Negócio de Bombas Hidráulicas
Próximo artigoComo Montar Uma Empresa de Reforma de Estofados
Administrador de Empresas pela Universidade Estadual de Goiás, Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching, atuou na Algar Telecom, SEBRAE e vários pequenos negócios, aficionado por criação de negócios, gestão e mentalidade empreendedora. Também criou o Kit Como Abrir Um Negócio, o qual já contribuiu com mais de 8 mil empreendedores em vários países.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here